Assine nossa newsletter para receber nossos conteúdos em primeira mão!

© 2020 by @marcelodieguez.

  • Marcelo Dieguez

Como se livrar do passado e não deixar que ele defina seu presente e futuro.

Atualizado: Jan 17



Muitas pessoas acreditam que o passado irá nos definir para sempre. Mas essa afirmação foi desmentida no livro Felicidade Autência, do Martin Seligman. Segundo o autor, nós temos 3 caminhos para nos livrar das correntes do passado e vivermos uma vida plena, olhando para o presente e o futuro.


Presos ao passado

É verdade que não temos como voltar no tempo e recuperar o que deixamos de viver, de dizer e de realizar o que gostaríamos. E em alguns casos, nós carregamos estes fardos por toda a nossa vida. Essa atitude é muito prejudicial, pois enquanto uma pessoa estiver amarrada ao passado, dificilmente ela conseguirá manter a sua mente no presente.


Em sua maioria, as pessoas se vêem presas ao passado por nostalgia ou por alguma coisa negativa que deixou uma cicatriz muito forte.


Podemos ter como exemplo uma saudade da infância, daquela sensação gostosa de brincar na rua e correr na chuva com os amigos.

Por outro lado, podemos relembrar do mal que uma pessoa nos fez que ainda sentimos as dores e as cicatrizes ainda abertas.


É doloroso, eu não duvido. Mas a verdade é que o passado já passou, não há mais nada a se fazer em relação a isso e precisamos seguir com nossas vidas para não deixar que o passado acabe nos tirando também o presente e o nosso futuro. Posso parecer meio ríspido, mas acredite em mim:

Quanto mais você remoer e viver nestes sentimentos, mais tempo de vida você está perdendo preso neste cenário imutável.

Nós não recuperamos mais o passado, ponto. Mas existem 3 atitudes que podemos ter em relação ao passado para que ele não nos persiga e destrua também o nosso momento presente e futuro. E essas atitudes são a Gratidão, o Perdão e, em último caso, o Esquecer.


Gratidão

Quando falamos em gratidão quase sempre temos em mente o presente ou um período curto, como ontem ou semana passada.


Mas quando falamos sobre o passado, a Gratidão é uma atitude capaz de minimizar os efeitos da nostalgia. Ao sermos gratos pelo nosso passado, além de revivermos o sentimento daquele momento, nós reconhecemos que tivemos um passado bom, que não há porque se prender a esses momentos. Então ficamos gratos pela família, pela presença de amigos em nossa vida e principalmente pela fase boa que tivemos naqueles anos que se passaram.


Perdão

Todos nós tivemos em nossa vida algum momento triste ou que tenha nos incomodado, nos feito mal. E segundo a Psicologia Positiva, deixar que estes sentimentos e experiências nos acompanhem em nossa vida pode ser muito danoso. Isso porque sempre que lembrarmos destes acontecimentos teremos a mesma sensação de dor ou mal estar que sentimos no passado.


Por isso, o caminho para nos livrarmos das dores e sofrimentos do passado, é perdoarmos a pessoa que nos fez mal. Inclusive, um grande pesquisador sobre o perdão chamado Everett Worthington criou um processo para o perdão chamado REACH (Recordação, Empatia, Altruísmo, Compromisso e Honra). Para nos ajudar na explicação, gostaria que vocês imaginassem que roubaram o seu carro.


A Recordação é lembrar do ocorrido sem nenhum julgamento, não pense que a outra pessoa é má:

"A pessoa poderia estar precisando de dinheiro para pagar o tratamento da mãe. Então ela estava andando na rua e viu que o seu carro estava destravado e aproveitou."


Empatia com o assaltante, pois como vimos na lição do filme do Coringa, pessoas quando estão desesperadas, com medo ou se sentem ameaçadas, elas reagem e muitas vezes ferem inocentes. "O que este rapaz deve estar passando na vida para ele roubar um carro em plena luz do dia."


O Altruísmo é a etapa que você se lembra de um mal que fez a alguém e essa pessoa o perdoou. Nós nunca enxergamos perdoar como dádiva, só ser perdoado. Mas perdoar também é uma dádiva, pois do mesmo modo que você se viu livre, está livrando um semelhante.


Compromisso é a atitude ativa de se dispor a perdoar alguém. E o pesquisador foi tão incisivo, que escreveu um contrato para firmar este compromisso em perdoar a pessoa.


E por último, a Honra. Que nada mais é do que honrar o compromisso firmado por você em perdoar uma pessoa, perdoando-a do que lhe foi feito.


Você pode estar pensando: "Ah, mole um professor falar isso. Aposto que nunca sentiu isso!"

Mas, segure o estômago, ele teve a mãe espancada até a morte em um assalto e estuprada por uma garrafa de vinho. Ele inclusive utilizou e desenvolveu este processo neste incidente. Então tenho certeza pode ser válido.


Esquecer

Esta é a etapa mais difícil do processo e ela só é utilizada quando não conseguimos ser gratos e nem perdoar à quem nos fez mal, seja porque não temos mais contato com a pessoa ou porque decidimos que não nos fará bem algum.


Esquecer pode parecer horrível e impossível, mas é muito importante lembrarmos de uma coisa: manter o sentimento ruim e a lembrança do incidente negativo em nossa vida não irá nos fazer nenhum bem, só irá nos manter num espiral infinito de dor e passividade.


Antes de finalizar, eu gostaria de dizer que porque estou escrevendo sobre isso acho que deve ser fácil. Cada atitude desta é louvável e, acredito eu, muito difícil de se fazer.

Mas se você estiver pensando que é impossível ou que não vale a pena, eu gostaria de trazer esta reflexão:

Quem te fez mal, nem sabe mais de você. Quem te fez sofrer, está seguindo a vida. Quem te causou dor, pode não estar mais neste plano. Não será fácil, mas se você não buscar superar o seu passado, o único prejudicado é você.

De agora em diante, que tentemos resolver nossas ligações com o passado para podermos avançar com nossa vida em paz e com plenitude.

24 visualizações