• Marcelo Dieguez

Sou pessimista ou otimista? Conheça o Estilo Explicativo e o Desamparo Aprendido.

Atualizado: 3 de Dez de 2019



Todo mundo quer ser mais otimista, isso eu não tenho dúvida. A ciência já comprovou que otimistas são mais saudáveis, possuem melhores relacionamentos, são mais aptos a cargos de liderança e são menos propensos a terem depressão, o mal do século.


Mas afinal, o que faz com que uma pessoa seja considerada Otimista e Pessimista. Ultimamente eu tenho me debruçado bastante sobre este tema, pois sempre chamou a minha atenção a capacidade que algumas pessoas tem em ser otimistas, mesmo quando sofrem inúmeros revezes.


Nesta jornada por respostas, eu me deparei com um conceito muito interessante que pode, se não explicar o porquê, pelo menos nos ajudar a entender um pouco mais sobre este assunto.


Antes de falar sobre ele, é muito importante a gente entender um conceito prévio, o Desamparo Aprendido.


Desamparo Aprendido

Vamos dividir a explicação em duas partes. Primeiro é muito importante que você saiba que o Desamparo é o estado em que a pessoa se encontra abandonado, sem ajuda e nenhuma esperança.

Podemos dizer então que o Desamparo Aprendido é quando uma pessoa aprendeu a se sentir abandonada, que não terá ajuda e, pior, perdeu suas esperanças. Uma pessoa que sofre de Desamparo Aprendido é uma pessoa que se encontra em estado pessimista e pode, inclusive, sofrer de depressão.

Note que eu falei ESTADO PESSIMISTA. Isso porque é possível uma pessoa deixar de ser pessimista.


Entendido isso, podemos dizer que o Desamparo Aprendido está diretamente relacionado ao seu Estilo Explicativo. Mas o que é Estilo Explicativo?


Estilo Explicativo

O Estilo Explicativo nada mais é que, em poucas palavras, o jeito como nós explicamos à nós mesmos o motivo dos acontecimentos que ocorrem em nossa vida, é como nos enxergamos e enxergamos o mundo. E é ele o principal agente para distinguir uma pessoa otimista de uma pessimista. Vamos entender melhor.


Vou dar um exemplo rápido para ilustrar melhor este conceito. Veja:

Maria e Jana trabalhavam em uma empresa que passava por grandes dificuldade e que, para reduzir os custos, tiveram que demitir algumas pessoas, inclusive as duas.


Maria ficou extremamente chateada e voltou para casa se culpando: "Por que eu? De tantas pessoas na empresa por que eu fui escolhida? Deve ser porque eu sou ruim nisto que faço. Eu duvido que vá encontrar outra oportunidade como aquela. Ela era tão boa!"


Enquanto isso, Jana recolheu suas coisas e no meio do caminho já entrou em contato com algumas pessoas para buscar ajuda: "Sim, fui demitida. Tinham que cortar umas pessoas e eu estava neste meio. Não, eu acho que eles tinham mesmo que fazer isso, porque meus números eram bons. Eu reparei que ficou o pessoal que era mais chegado no diretor. Mas enfim, já foi. Sabe de alguma vaga?"


Conseguiu identificar no exemplo quem é a pessoa positiva, a negativa e o Estilo Explicativo de cada uma?

O estilo de Maria é pessimista, de achar que a culpa foi sua, de se achar inferior e inútil. Por outro lado, o estilo de Jana é otimista, de casualidade. Aconteceu e não tem muito o que ela possa fazer, a não ser seguir em frente.


Para entender melhor o Estilo Explicativo, devemos olhá-lo sob 3 dimensões:

- Permanência

- Abrangência

- Personalização


Permanência

A Permanência é relacionada ao tempo. É caracterizada pelos pessimistas por palavras como "nunca" e "sempre" para situações negativas. Ao passo que as pessoas otimistas utilizam palavras que passam a condição finita, como "às vezes" e "ultimamente".


Já em situações positivas, ocorre o oposto. Quando uma pessoa pessimista, por exemplo, bate uma meta, ela não consegue puxar os louros para si, credita a façanha à sorte, pois não se acha boa o bastante para tal.

Por outro lado, o otimista, que nunca duvidou de si, relaciona a vitória ao seu esforço e capacidade.


Abrangência

A Abrangência está relacionado ao espaço e pode ser específica ou universal. Em algum momento em nossa vida já passamos por um Estado Explicativo pessimista de Abrangência.


Quando ocorre alguma situação negativa, o pessimista rapidamente generaliza o problema e o torna universal. "Eu não vou mais trabalhar neste setor, pois todas as empresas são sangue-sugas. Elas são aproveitadoras". Ou então esta aqui para os bagunceiros da infância: "Nenhum professor gosta de mim mesmo."


Os otimistas, em situações negativas, tendem a ser mais específicos: "Isso aconteceu nesta empresa, mas em outra pode ser diferente. Afinal, eu não trabalhei em todas as empresas que existem!"


Personalização

Personalização é referente a autoestima. Está ligado a conseguirmos entender que existem situações que, infelizmente, não estão no nosso controle e não se vitimizar por isso.


Uma explicação da personalização, é o vídeo que está circulando pela internet de uma criança estudando em uma loja da Samsung.

Se ele fosse pessimista e tivesse baixa autoestima, provavelmente iria ficar se lamentando: "não tenho condição, não tenho computador", "eu não consigo porque não tenho isso". Ao invés disso, ele foi em uma loja de eletrônicos para poder realizar a tarefa.


Uma pessoa pessimista sempre vai atribuir o fracasso ou um revés para si mesmo, mesmo quando isso não for verdade. Em contrapartida, o otimista pode ficar chateado, mas ele entende que são coisas que ele não pode controlar, mas que pode fazer acontecer de um novo jeito.


Como desenvolvemos o Estilo Explicativo?

Infelizmente o Estilo Explicativo é aprendido durante a infância e adolescência, onde a pessoa não tem muita informação e está mais vulnerável.


Se a criança ou o jovem tiver contato com pessoas que tenham um Estilo Explicativo pessimista, é bastante provável que ela absorva isto e carregue consigo.

Pode ser por frases como "isso você não vai conseguir", "não é pra você", "não adianta tentar".

Ou até mesmo tentando fazer algo que AINDA não consiga, mas que por tentar e fracassas, ele aprenda que aquilo ele é incapaz de fazer.


Por isso é muito importante que Otimismo e Psicologia Positiva tenham um espaço em escolas e em casa, pois é fundamental para a saúde emocional, principalmente na fase adulta, onde irão enfrentar muitos revezes.


É possível mudar o meu Estilo Explicativo?

Sim. Sabendo esses conceitos, basta ter vontade.

Primeiro é essencial que, com toda honestidade do mundo, você identifique qual o seu Estilo Explicativo. Não minta para si mesmo e não fique com vergonha, pois com certeza você não é o único e, enquanto lia este texto, se lembrou de algumas pessoas.


No momento que você entende essas dimensões do Estilo Explicativo otimista e pessimista, você pode passar a prestar atenção em sua própria explicação e trabalhar para ter um Estilo mais otimista.

É um exercício diário e não tem um prazo. Mas depende apenas de você!


Utilize este conceito com responsabilidade!

Estes conceitos são para ajudá-lo a transformar e mudar o seu Estilo Explicativo. Não faça mal entendimento das palavras e comece a achar e responsabilizar terceiros por problemas que são seus.


Como eu já falei com alguns amigos:

O Otimismo não é oba-oba, gritar "vai dar boa!" ou fazer besteira e continuar rindo. Isso não é otimismo.


Otimismo é uma forma de você enxergar situações sob um aspecto positivo, que faz com que você não se sinta abatido e continue a busca do seu objetivo.

Espero que tenha gostado deste texto, pois foi escrito com a intenção de jogar uma luz num dos principais motivos do pessimismo e depressão.


Se tiver dúvida ou quiser conversar, basta falar comigo na aba "Contato" ou no Instagram.

Estou à disposição para te ouvir =)

Assine nossa newsletter para receber nossos conteúdos em primeira mão!

© 2020 by @marcelodieguez.