• Marcelo Dieguez

Otimista ou Pessimista? As 3 fontes que formam o Estilo Explicativo de uma criança.



Se você convive com criança ou é/deseja ser pai e mãe, você não pode deixar de ler este post, pois ele irá de ajudar a desenvolver um estilo explicativo mais otimista para seu aluno ou seu filho.


Já expliquei num post recente que o Estilo Explicativo é como enxergamos e justificamos os acontecimentos em nossa vida, e que ele pode ser otimista ou pessimista. Se você ainda não leu este post, sugiro que pare, leia-o e depois volte para continuar esta leitura. Basta clicar aqui.


Nós começamos a desenvolver o nosso Estilo Explicativo na infância, numa fase onde infelizmente não temos muito discernimento e conhecimento. Por isso é muito importante para pais e educadores entenderem como o Estilo Explicativo é formado para melhor desenvolve-lo nas crianças e filhos.


As 3 fontes responsáveis pelo desenvolvimento do Estilo Explicativo de uma criança

Segundo estudos, existem 3 fontes pela qual a criança aprende e forma o seu Estilo Explicativo: Pais, Professores e Crises durante a Infância.

Vou destrinchar e explicar como a criança aprende e como podemos atuar para que ela crie o Estilo Explicativo adequado.


Primeira fonte: Pais

Naturalmente a principal fonte de aprendizado são os pais. Afinal, eles são progenitores.

Além deste laço, eles são vistos pelas crianças como heróis, exemplo a ser seguido e as pessoas mais importantes de sua vida. Uma referência.

É muito relevante destacar que estes estudos mostram que a criança tende a puxar mais o Estilo Explicativo da Mãe.


Agora, como que os pais influenciam o Estilo Explicativo de seus filhos?

Esta é a fase onde a criança está se desenvolvendo e buscando explicações e referências para entender o mundo, principalmente o mundo social. E os pais tem um papel central nisto.

Como os pais são sua principal referência, tudo que falam e a forma que falam são levados em conta pela criança, passando a copiar e a se espelhar.


Mas o mais importante aqui é alertar os pais sobre como falam das causas dos acontecimentos em frente aos filhos.

Falar sobre acontecimentos de forma permanente, universal e pessoal pode ser um passaporte para seu filho adotar um Estilo Explicativo Pessimista. Como assim?


Vamos imaginar que uma criança está presente em um pequeno acidente de carro com sua mãe e quando ela acaba de conversar com a pessoa, ela entra no carro e começa a falar:


"Eu sou muito burra. Estas coisas sempre acontecem comigo! Eu não deveria nem dirigir. Seu pai vai me matar."

Quando a criança escuta essas frases vindo da pessoa mais importante da sua vida, ela começa a tirar algumas conclusões negativas. O pai é mau porque ele vai brigar com a mãe; dirigir é ruim; que o mundo é injusto com a mãe.


Agora imagine o mesmo cenário, mas com as seguintes frases:

"Poxa, que azar.. logo quando eu olhei para o outro lado. Mas que bom que não amassou muito o carro."

Nesta segunda sentença, a criança vai entender que foi algo de ruim que aconteceu ao acaso, que tiveram um contratempo, mas passou.


Você sentiu a diferença? Parece bobeira, mas isso tem um grande impacto em como a criança irá enxergar as coisas. Este e apenas um exemplo, mas diariamente a criança está antenada nas coisas que dizemos e nas reações quando acontece algum problema.


Por isso, pais, prestem bastante atenção em como irão reagir diante de um problema na frente dos filhos. Lembre-se que eles estão, constantemente observando e aprendendo com vocês.


Segunda fonte: Professores

A segunda fonte de aprendizado do Estilo Explicativo da criança são os professores, pois passam bastante tempo com a criança durante a infância e são também responsáveis por ajudar na educação.

Muitas vezes não iremos conseguir detectar o Estilo Explicativo do professor para saber se ele é otimista ou pessimista, isto deverá ser confiado a instituição de educação. Mas como os professores podem impactar no Estilo Explicativo da criança? Vamos ver agora.


Todo mundo deve se lembrar de algum comentário feito por um professor que nos deixou desanimado, desamparado. Veja esse exemplo:


Um estudante cresceu odiando matemática e odeia até hoje. E quando confrontado para descobrir porque desta raiva e falta de vontade, descobriu que foi por um comentário de um professor: "Você é bom em português, e não com números."

Esta simples frase do mestre, levou a criança a deixar de tentar aprender matérias que envolviam cálculo, pois para ele jamais iria conseguir aprender cálculo, já que era bom em português e em matérias semelhantes."


E se este mesmo professor, ao invés de usar esta frase, usasse outra: "Você é bom em português, mas não é bom em matemática porque faz bagunça e não presta atenção na aula."

Esta segunda explicação é muito menos pessoal e mais causal. Está se saindo mal, pois está fazendo bagunça. Se parar a bagunça, poderá prestar atenção e se dar bem na matéria."


É muito importante, para pais e professores, demonstrarem causalidade em todas as suas sentenças e explicações, pois assim a criança irá entender que está relacionado a um comportamento individual e que pode ser passageiro ou alterado. No momento em que você sentencia uma coisa geral, sem explicações de causa, ela poderá entender como uma coisa permanente e imutável.

Terceira Fonte: Crises na infância

Esta é uma fonte muito danosa para a criança e, segundo resultado de pesquisas, em alguns casos a criança tem o seu resultado piorado por toda a vida.


Podemos entender aqui como crises:

- Divórcio;

- Briga entre pais;

- Saída do irmão para trabalhar ou estudar em outra cidade;

- Morte de bichinhos e familiares;

- Etc.


Sem sombra de dúvidas, o divórcio é o mais prejudicial para a criança, pois sem entender muito bem as coisas, acha que a culpa da separação foi ela e, durante o seu desenvolvimento pessoal, leva esta culpa.


Sobre os outros pontos, não são considerados tão críticos, mas se a criança não tiver um ambiente acolhedor e um amparo, ela poderá sofrer bastante com estas outras ocasiões.


É muito importante que os pais se façam mais presente que o normal nestas circunstâncias: quando um irmão sai de casa e na morte de bichinhos e familiares. Não superestime a força de uma criança. Ela pode parecer forte, mas estes acontecimentos podem devastá-la por dentro, emocional e mentalmente, se não houver uma atenção redobrada dos pais no processo de recuperação.


Por que o Estilo Explicativo da criança é tão importante?

É muito mais fácil nós explodirmos ou continuar fazendo as coisas como nós fazemos e estamos habituados. Porém, se são atitudes destrutivas para a criação e desenvolvimento, nós temos a obrigação de nos segurar e entender que, em nossas frases e com nossas atitudes nós estamos nos comunicando e educando ao mesmo tempo.


Desenvolver a criança para ter um Estilo Explicativo Otimista é muito importante, pois além de torná-lo mais confiante em si mesmo a ciência já comprovou os seus benefícios para a saúde, relacionamento e outras áreas essenciais de nossa vida.

Inclusive, o Otimismo é levado em consideração para atuações em níveis de liderança em diversas empresas.




Espero que este artigo tenha lhe ajudado e jogado uma luz sobre este tema que é tão importante e relevante para a criação adequada das crianças.

27 visualizações
Assine nossa newsletter para receber nossos conteúdos em primeira mão!

© 2020 by @marcelodieguez.